Grupo com renda mais baixa do MCMV pagará juros no Casa Verde Amarela





O Casa Verde e Amarela é o novo programa habitacional que surgiu para substituir o Minha Casa Minha Vida, em atuação há mais de 10 anos no território brasileiro. Ele não é bem um novo programa, mas trouxe algumas mudanças em relação ao antecessor, que são importantes de salientar para que todas as famílias interessadas na casa própria estejam cientes do que vai mudar no próximo ano.

Uma das mudanças é que agora, até mesmo o grupo com a renda mais baixa do Casa Verde e Amarela, terá que pagar juros. Essa novidade não agradou a todos, mas deverá entrar em vigor como as outras. A seguir, entenda melhor como isso vai acontecer.



Faixa 1 passa a pagar juros no novo programa



A faixa 1 do Minha Casa Minha Vida sempre foi composta por famílias de renda mensal de até R$1,8 mil que não pagavam taxas do financiamento. Agora, com o lançamento do novo programa Casa Verde e Amarela, isso vai mudar. A faixa mais simples, passa a aceitar famílias com renda mensal de até R$2 mil, mas agora elas também começarão a arcar com taxas sobre o financiamento.

Essa informação consta na medida provisória que criou o Casa Verde e Amarela e determina que todas as famílias de baixa renda passem a arcar com os juros do financiamento pela casa própria. No entanto, isso gerou muitas opiniões controversas.

Muitos veem isso como um descaso com a população da faixa 1, que é considerada a mais pobre e vulnerável do programa. Essa medida provisória ainda não foi votada pela Câmara nem pelo Senado, por isso, caso não seja votada até o dia 24 de outubro, ela perde totalmente a sua validade.



Juros do Casa Verde e Amarela

Os juros do Casa Verde e Amarela estão um pouco maiores do que aqueles oferecidos pelo antigo Minha Casa Minha Vida, mas ainda assim, há reduções de acordo com a faixa de renda e a região do país (Norte e Nordeste recebem os maiores descontos).



Os juros para a faixa 1 são a partir de 4,5% por ano, sendo que para as regiões Norte e Nordeste, pode haver uma redução de até 0,5% nesse percentual, sendo o máximo a ser pago de 4,25% ao ano. Para as demais regiões, o valor máximo de juros a ser cobrado é de até 4,5%.

Esses juros ainda podem sofrer alterações se essa MP for aprovada ou não, por isso é importante e interessante ficar de olho em todas as informações para não perder nenhuma novidade.

O que mais vai mudar no Casa Verde e Amarela

O Casa Verde e Amarela conta com diversas mudanças em relação ao Minha Casa Minha Vida. Essas mudanças importam principalmente para aqueles que ainda pretendem participar da iniciativa para conquistar a casa própria.

Ao invés de quatro faixas de renda, agora passam a existir somente 3 e a renda máxima para participar do programa é de R$7 mil. A nova faixa 1 agora abrange uma renda maior: até R$2 mil, mas os beneficiários vão ter que pagar juros. Para o Norte e Nordeste, essa renda máxima aceita no grupo sobe para R$2,6 mil.





O programa vai atuar em três vertentes principais: financiamento imobiliário, reforma e regularização de imóveis. A proposta é que até mesmo os imóveis entregues durante o Minha Casa Minha Vida, mas estejam desregulares, recebam apoio para ficarem dentro da lei.

Como se inscrever para o Casa Verde e Amarela

Uma grande dúvida da população é como se inscrever para participar do Casa Verde e Amarela. Isso ainda não foi revelado pelo governo, mas tudo indica que as famílias mais vulneráveis continuarão sendo selecionadas pela prefeitura, mas com um sistema mais personalizado.

Por isso, é preciso aguardar para que mais novidades sobre o programa sejam anunciadas. O esperado é que as famílias sejam selecionadas através do CadÚnico do Governo Federal e sejam chamadas para realizar o cadastro para a casa própria. As demais famílias, ainda não se sabe como poderão se inscrever.

Regularização de imóveis no Casa Verde e Amarela



Uma das vertentes do Casa Verde e Amarela agora é a regularização de imóveis, também chamada de regulamentação fundiária. Consiste em regularizar imóveis através de várias ações e estratégias. Por exemplo, muitos imóveis entregues pelo Minha Casa Minha Vida não possuem escritura. O programa visa sanar esse tipo de problema.

A família poderá se tornar proprietária do imóvel e assim receber uma infraestrutura mais apropriada no seu local de moradia. Empreendimentos do programa que atualmente também estão abandonados e que viraram “terra de ninguém” vão ser recuperados, reformados e oferecidos novamente para famílias interessadas.



Financiamento de imóveis no Casa Verde e Amarela

O financiamento de imóveis também continuará sendo uma forte vertente do novo programa. Eles serão realizados em parceria com a Caixa Econômica Federal de um modo muito parecido como o Minha Casa Minha Vida atuou durante esses últimos anos.



Por isso, aqueles interessados em obter a casa própria e desejam contar com taxas de juros mais acessíveis e outras condições especiais, devem aguardar mais novidades. O Casa Verde e Amarela ainda oferecerá subsídios, mas não tanto quanto com o programa anterior. A faixa 1, por exemplo, recebia o maior subsídio e as famílias arcavam com somente 10% do financiamento. Agora, isso vai mudar de cenário.

O governo ainda não informou quanto de subsídio será oferecido para cada grupo de renda, apenas sabe-se que o grupo 3 será o único a não contar com essa vantagem.

Casa Verde e Amarela

O Casa Verde e Amarela deverá entrar em vigor em 2021, por isso muitos detalhes ainda deverão ser anunciados e revelados pelo governo. Isso significa que também podem haver mudanças nas alterações já divulgadas, por isso fique de olho e acompanhe tudo através dos meios de comunicação oficiais do governo.



Não há previsão de que o programa comece a valer esse ano, justamente por causa da pandemia e porque ainda há muito o que ser resolvido.

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *